Gente da Ilha

Intensa em suas interpretações, Claudette Ferraz tem talento e carisma

Gente da Ilha - Claudette Ferraz

Ela tem o tom de voz grave e um modo de interpretar canções com uma energia singular. Teve na mãe a grande inspiração para as artes musicais e seu primeiro grupo foi “O Bando”, uma banda montada por um músico que apostava no talento da menina de 16 anos, que encerrava algumas apresentações em bailes. Ao atingir a maioridade, um amigo a convidou para ser a cantora do grupo e após hesitar um pouco, Claudette Ferraz jogou-se de corpo e alma nos palcos da vida. Seu primeiro show foi em um baile promovido pelo Clube Seropédica em 1978 e, nesta época, ela era conhecida com Lady Crooner. Daí em diante, muitas portas se abriram e a jovem promessa da MPB foi amadurecendo suas performances e conquistou seu espaço nas noites do Rio de Janeiro.

Gente da Ilha - 05/06/2015 - Edição nº 1731

Padre Carlos: 20 anos na Ilha

Insulano de coração e padre por vocação

Ele tem a fala mansa e pausada e um sotaque conhecido no Brasil como “portunhol”, que seria a fusão do português com o espanhol. Isso porque ele nasceu na Espanha, na cidade de Santander. Recentemente completou 70 anos de idade e, há 46, segue com grande devoção o ofício de ser padre. Aos 11 anos, Carlos Gomez Saez foi para o seminário em Barcelona e, após ser ordenado padre, se tornou professor do seminário onde estudou. E lá ficou durante 15 anos. Sua chegada ao Brasil, em 1986, se deu por conta de um amigo que também era padre em São Paulo.

Gente da Ilha - 29/05/2015 - Edição nº 1730