Opinião

Opinião - José Richard

A análise da qualidade das águas perto da Ilha do Fundão, por pesquisadores da UFRJ, revelaram resultados aterradores para todos nós que vivemos ao lado e que somos afetados diretamente pela contaminação que pode se alastrar pelas nossas praias.


26/04/2019 - Edição 1934

A análise da qualidade das águas perto da Ilha do Fundão, por pesquisadores da UFRJ, revelaram resultados aterradores para todos nós que vivemos ao lado e que somos afetados diretamente pela contaminação que pode se alastrar pelas nossas praias.   A matéria sobre esse tema tão relevante foi publicada pelo jornal o Globo nesta semana, e está em destaque na página 17 desta edição do Ilha Notícias. O conteúdo assusta. Até agora as informações sobre a poluição da Baía de Guanabara eram relativamente parte da paisagem, ou seja, não poderiam nos atingir nem prejudicar a saúde dos insulanos. Todavia, agora diante das constatações da UFRJ que identificaram as águas como tóxicas para a vida, precisamos tomar mais cuidado e entender como perigosa a qualidade das águas que banham a Ilha do Governador e o Fundão.   Agora não são apenas sofás, pneus e um monte de tralhas velhas que estão na superfície das águas e chegam nas nossas praias, além de carcaças de animais e, infelizmente, membros de gente esquartejada, como a parte de uma perna que apareceu nas águas da Praia da Bica há duas semanas. De agora em diante temos que encarar como gravíssima a qualidade das águas da Baía de Guanabara e pressionar os governos para medidas urgentes que resgatem a qualidade das águas.    Espero que as autoridades e a população levem a sério o problema divulgado pela UFRJ, sobretudo porque as águas do Canal do Cunha podem causar infecção generalizada e provocar a morte de humanos, devido a presença de microrganismos patogênicos. E como não existe um muro que separe as águas nem filtros tecnológicos é impossível que essa contaminação de super bactérias não alcancem nossa orla.