Notícias

Trecho da Estrada do Galeão tem alto índice de acidentes

Local, ao lado do Siri, foi cenário de mais de 200 atropelamentos em 2018


06/09/2019 - Edição 1953

Este trecho da Estrada do Galeão tem o maior índice de atropelamentos da região
Este trecho da Estrada do Galeão tem o maior índice de atropelamentos da região

Uma jovem moradora da Vila Joaniza, morreu na Estrada do Galeão, depois de ser atropelada por um carro de passeio, quando atravessava a via, no domingo (1). Anna Carolina de Sousa, 18, voltava pra casa, saindo da Praia de São Bento por volta das 5h30 da manhã, e a tragédia aconteceu próximo ao restaurante Siri do Galeão. A jovem foi enterrada na segunda no cemitério do Caju. Testemunhas do acidente garantem que o motorista do carro disse que não viu a jovem e a polícia informou que o motorista não estava alcoolizado.

Embora exista uma passarela nas proximidades muitas pessoas se arriscam na travessia perigosa, que já foi cenário de muitos outros atropelamentos fatais. Um estudo do Corpo de Bombeiros, em 2018, apontou que mais de 200 acidentes foram registrados no trecho onde a jovem morreu. Um funcionário do restaurante, que não quis se identificar, informou que já presenciou diversas mortes e pede mais sinalização no local.

— Trabalho aqui há anos e infelizmente o acidente de domingo não foi nenhuma novidade. Muitos carros passam no local em alta velocidade, o que por si só já é um risco, e muitos pedestres insistem em atravessar fora da passarela. As vezes andar mais alguns metros evita que a pessoa perca sua vida.

O trecho, em frente ao Siri do Galeão de um lado, e o posto Shell do outro, é muito perigoso, pois a coluna de sustentação do viaduto que leva a Estrada das Canárias, cria um ponto cego para os motoristas, que muitas vezes é surpreendido e não vê o pedestre atravessando a via. A insulana Marilene Matias, 45, perdeu seu pai no mesmo local em 2009.

— Meu pai estava vindo me visitar, ele morava em Nova Iguaçu e eu na Estrada do Galeão, próximo ao posto. Ele foi atravessar a rua por baixo do viaduto e o ônibus não teve tempo de parar. Ele ficou dias internado, mas faleceu. Precisamos que a população fique alerta sobre o perigo que está correndo.

A CET-Rio informou, através de sua assessoria de imprensa, que vai instalar dois radares no local para evitar que motoristas passem em velocidade acima do permitido além de placas educativas proibindo que pedestres atravessem no local e incentivando o uso da passarela.